"Nascer, morrer, renascer, progredir sempre, tal é a lei."

Homenagem a Allan Kardec.



Allan Kardec

Allan Kardec


Nasceu em Lyon, França, no dia 3 de outubro de 1804 e desencarnou em Paris, no dia 31 de março de 1869. O seu verdadeiro nome era Hippolyte-Léon-Denizard Rivail. "Hippolite" em família; "Professor Rivail" na sociedade e "H-L-D. Rivail" na literatura. Desde os 18 anos mestre colegial de Ciências e Letras, e, desde os 20 anos renomado autor de livros didáticos. Suas obras espíritas foram escritas com o pseudônimo de Allan Kardec. Contava 51 anos quando se dedicou à observação e estudo dos fenômenos espíritas, publicou em 1857, "O Livro dos Espíritos" em 1861, "O Livro dos Médiuns" em 1864, "O Evangelho segundo o Espiritismo" em 1865 "O Céu e o Inferno" em 1868 "A Gênesis" e, mensalmente, de 1858 a 1869 a "Revista Espírita".





Mensagem da Semana


Na Senda do Cristo


“Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem.” – Jesus.

(MATEUS, 5:44.)

 


        O caminho de Jesus é de vitória da luz sobe as trevas e, por isso mesmo, repleto de obstáculos a vencer.

 

        Senda de espinhos gerando flores, calvário e cruz indicando ressurreição...

 

        O próprio Mestre, desde o início do apostolado, desvenda às criaturas o roteiro da elevação pelo sacrifício.

 

        Sofre, renunciando ao divino esplendor do Céu, para acomodar-se à sombra terrestre na estrebaria.

 

        Experimenta a incompreensão de sua época.

 

        Auxilia sem paga.

 

        Serve sem recompensa.

 

        Padece a desconfiança dos mais amados.

 

        Depois de oferecer sublime espetáculo de abnegação e grandeza, é içado ao madeiro por malfeitor comum.

 

        Ainda assim, perdoa aos verdugos, olvida as ofensas e volta do túmulo para ajudar.

 

        Todos os seus companheiros de ministério, restaurados na confiança, testemunharam a Boa Nova, atravessando dificuldade e luta, martírio e flagelação.

 

        Inúteis, desse modo, nos círculos de nossa fé, os petitórios de protecionismo e vantagens inferiores.

 

        Ressurgindo no Espiritismo, o Evangelho faz-nos sentir que tornamos à carne para regenerar e reaprender.

 

        Com o corpo físico, retomamos nossos débitos, nossas deficiências, nossas fraquezas e nossas aversões...

 

        E não superaremos os entraves da própria liberação, providenciando ajuste inadequado com os nosso desejos inconsequentes.

 

        Acusar, reclamar, queixar-se, não são verbos conjugáveis no campo de nossos princípios.

 

        Disse-nos o Senhor – “amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem”.

 

        Isso não quer dizer que devamos ajoelhar em pranto de penitência ao pé de nossos adversários, mas sim que nos compete viver de tal modo que eles se sintam auxiliados por nossa atitude e por nosso exemplo, renovando-se para o bem, de vez que, enquanto houver crime e sofrimento, ignorância e miséria no mundo, não podemos encontrar sobre a Terra a luz do Reino do Céu.


Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito de Emmanuel - Palavras de Vida Eterna


Programação Semanal

Segunda-feira: 20h00

- Estudo de: "O Livro dos Espíritos"

Quarta-feira: 14h00

- Estudo de: "O Evangelho Segundo Espiritismo"

Quinta-feira: 20h00

- Palestra Pública
- Evangelização Infanto-juvenil

Sabado: 16h00

- Estudo de: "O Livro dos Espíritos"

Domingo: 09h00

- Palestra Pública

Para Refletir

"Quando te sintas em abandono, aparentemente desamparado e sem amigos, sob sofrimentos e angustias, pensa em Jesus, e jamais experimentarás a solidão."


"Ninguém pode oforecer paz ao mundo, se não a desenvolve no próprio âmago, no próprio mundo íntimo."


Você é o visitante N.º: 25736

CECB - Centro Espírita Caminheiros do Bem - Campo Mourão - Paraná - Brasil